Rádio Princesa 1000 - Renan pede ao STF acesso a pedido de abertura de inquérito da Lava Jato
  Android Android
celulares
smartphones
Iphone, ipod, ipad IPHONE
IPOD
IPAD
Blackberry Blackberry
celulares
smartphones
  Android Android
celulares
smartphones
Iphone, ipod, ipad IPHONE
IPOD
IPAD
Blackberry Blackberry
celulares
smartphones
Política  06.03.2015 às 16:31:07 - G1
Renan pede ao STF acesso a pedido de abertura de inquérito da Lava Jato
O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), protocolou na manhã desta sexta-feira (6) no Supremo Tribunal Federal (STF) requerimento para ter acesso ao pedido de abertura de inquérito contra ele no âmbito da Operação Lava Jato antes que o ministro Teori Zavascki, responsável pelo processo, decida pela abertura ou pelo arquivamento do inquérito.

Segundo o Jornal Nacional, Renan Calheiros é um dos cerca de 45 políticos citados pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, nos pedidos enviados ao STF.

A lista de Janot foi entregue nesta terça (3) ao ministro Teori Zavascki, relator das apurações da Operação Lava Jato no STF. Foram apresentados 28 pedidos de abertura de inquérito referentes a 54 pessoas, dentre as quais autoridades e suspeitos sem foro privilegiado.

Entre as suspeitas relatadas, há crimes como corrupção e lavagem de dinheiro. Janot também protocolou sete pedidos de arquivamento.

Esclarecimentos

"O que se requer é que, antes da efetiva instauração do inquérito, o Presidente do Senado Federal possa conhecer o teor das passagens e das citações supostamente relacionadas ao seu nome e que lhe seja concedida a oportunidade de prestar esclarecimentos para subsidiar a decisão de Vossa Excelência, seja quanto à abertura seja para arquivamento das peças encaminhadas pelo PGR", diz trecho do pedido assinado pelo advogado-geral do Senado, Alberto Cascais.

No pedido, o advogado argumenta que  Janot descumpriu resolução do Conselho Nacional do Ministério Público e outra resolução do Conselho Superior do Ministério Público Federal ao não notificar o presidente do Senado antes que o pedido de abertura de inquérito fosse protocolado no Supremo.

Em nota enviada à imprensa, Renan Calheiros afirma que as resoluções do Ministério Público foram "atropeladas" pelo Procurador-Geral da República.

"Não se trata, por óbvio, de estabelecer um contraditório na fase pré-processual, mas sobretudo de evitar injustiças e açodamentos que possam prejudicar, talvez de maneira irreversível, a imagem do Presidente do Congresso Nacional", afirma Cascais.

Ao final do requerimento, o advogado-geral do Senado pede "em caráter urgentíssimo", além do acesso ao pedido de abertura de inquérito, acesso aos trechos dos depoimentos e delações de agentes investigados pela Operação Lava Jato.

Cascais solicita ainda a "concessão de prazo razoável para que possa prestar esclarecimentos antes da decisão sobre o pedido de abertura de inquérito encaminhado pelo PGR."

Críticas ao procurador-geral

Nesta quinta (5), ao deixar o plenário do Senado, Renan Calheiros havia dito lamentar não ter sido ouvido pelo Ministério Público antes de o órgão apresentar o pedido de abertura de inquérito para apurar a participação de políticos no esquema de corrupção na Petrobras.

"Nós não temos absolutamente nenhuma informação com relação à lista. Aliás, não é nem a praxe do Ministério Público. Porque Ministério Público costuma, em toda investigação, em todo questionamento, ouvir as pessoas antes", disse Renan na ocasião.

"Só lamento que o Ministério Público não tenha ouvido as pessoas, como é praxe, para que as pessoas questionadas possam se defender, apresentar as suas razões. Mas isso tudo é da democracia. Quando há excesso, quando há pessoas citadas injustamente, a democracia depois corrige tudo isso", completou o peemedebista.
 
 

Desenvolvido por: