Rádio Princesa 1000 - Joaquim Barbosa é uma das apostas para salvar campanha de Aécio Neves
  Android Android
celulares
smartphones
Iphone, ipod, ipad IPHONE
IPOD
IPAD
Blackberry Blackberry
celulares
smartphones
  Android Android
celulares
smartphones
Iphone, ipod, ipad IPHONE
IPOD
IPAD
Blackberry Blackberry
celulares
smartphones
Política  18.09.2014 às 14:02:39 - Diário de Pernambuco
Joaquim Barbosa é uma das apostas para salvar campanha de Aécio Neves
Um dos maiores ícones da história do Poder Judiciário no Brasil, o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa, recentemente aposentado, é uma das apostas do PSDB para turbinar a campanha do senador de Minas Gerais Aécio Neves à Presidência da República nestas eleições. As informações são da coluna de Mônica Bergamo, do jornal Folha de S. Paulo desta quinta-feira (18).

O ex-ministro já foi abordado, mais de uma vez, por tucanos que tentam convencê-lo a fazer algum gesto de adesão ao candidato nesta reta final do primeiro turno. Em pesquisas de opinião, Joaquim Barbosa chegou a ser citado como segundo maior cabo eleitoral do país, atrás apenas do ex-presidente Lula (PT).

O governador de Minas Gerais, Alberto Pinto Coelho, afirmou que, hospedado no mesmo hotel que Barbosa, em São Paulo, conversou com o ex-ministro no início da semana. “Ele poderia declarar voto ou então aceitar convite para ser ministro (num eventual governo de Aécio Neves)", imaginou.

Joaquim Barbosa, no entanto, negou a proposta. O curioso é que o ex-ministro, que ficou conhecido por ser relator da Ação 470 no STF, mais conhecida como mensalão do PT, diz ter votado em Lula e na presidente Dilma. Nestas eleições, porém, ele se mantém neutro e alguns aliados falam que, no mês da eleição, estará fora do país.

A entrada de Barbosa na campanha de Aécio Neves seria decisiva no processo de recuperação do tucano e representaria uma possibilidade real de segundo turno. Na última pesquisa do Ibope, divulgada nesta semana, o tucano aparece com 19% das intenções de voto. Em relação ao levantamento anterior, ele cresceu quatro pontos, mas ainda está longe da presidente Dilma Rousseff (PT), com 36%, e de Marina Silva (PSB), com 30%.
 
 

Desenvolvido por: